Take a fresh look at your lifestyle.

Morre, aos 96 anos, a atriz e cantora Bibi Ferreira

Atriz, cantora, compositora, apresentadora, a filha de Procópio Ferreira brilhou por décadas em palcos e telas.

A atriz Bibi Ferreira morreu no Rio nesta quarta-feira (13). A atriz, cantora, apresentadora, diretora e compositora, foi um dos maiores fenômenos artísticos do Brasil e tinha 96 anos. A informação foi confirmada pelo empresário Marcos Montenegro.

Abigail Izquierdo Ferreira nasceu em 1º de julho de 1922. Filha de um dos maiores nomes das artes cênicas do Brasil, o ator Procópio Ferreira, e da bailarina espanhola Aída Izquierdo, Bibi – apelido que ganhou ainda na infância – já estava no palco com apenas 20 dias de vida, no colo da madrinha Abigail Maia, em encenação de “Manhãs de sol”, de Oduvaldo Vianna.

Sempre multimídia, Bibi fez filmes, apresentou programas de TV, gravou discos e dirigiu shows sem nunca abandonar o teatro, uma grande paixão. Foi enredo de escola de samba (Viradouro, em 2003) e teve recentemente a vida e obra contadas em musical escrito por Artur Xexéo e Luanna Guimarães e dirigido por Tadeu Aguiar.

Aos 95 anos, em março de 2018, foi assistir à peça em teatro no Rio e fez o público se emocionar ao chorar cantando música de Edith Piaf (1915-1963), francesa que Bibi interpretou com maestria em musical de enorme sucesso no Brasil e em Portugal.

Sua interpretação foi considerada tão perfeita e cuidadosa, que mesmo pessoas que conheceram a própria Piaf se espantaram com o nível de semelhança alcançado por Bibi. Com o espetáculo, conquistou os principais prêmios do teatro nacional: Molière, Mambembe, Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), Governador do Estado e Pirandello. Apenas alguns dos muitos prêmios que colecionou ao longo das décadas de carreira.

Na televisão, em 1960, Bibi inaugurou a TV Excelsior com o programa ao vivo “Brasil 60” (61, 62, 63…, de acordo com o ano), que levou à TV os maiores nomes do teatro. Na mesma emissora, também apresentou o programa “Bibi sempre aos domingos”. Em 1968, estrelou o musical “Bibi ao vivo” – com direção de Eduardo Sidney, o programa era transmitido do auditório da Urca.

Ainda na década de 1960, Bibi estrelaria outros dois dos musicais mais marcantes de sua carreira. O primeiro foi “Minha querida dama” (My fair lady), de Frederich Loewe e Alan Jay Lerner, adaptação de “Pigmaleão”, de George Bernard Shaw, ao lado de Paulo Autran e Jayme Costa.

Fonte:Tribuna

Compartilhe:
Comentários
carregando...